Home TJSC extingue ação de inconstitucionalidade contra Universidade Gratuita

TJSC extingue ação de inconstitucionalidade contra Universidade Gratuita

Ação da Ampesc questionava exclusão de alunos não matriculados em instituições comunitárias do programa; desembargadores do TJSC entenderam que entidade não é “parte legítima” para propor a ação

Fonte: ND+

Última atualização: 2023/12/07 9:59:43

 

O Órgão Especial do TJSC (Tribunal de Justiça de Santa Catarina) extingiu a Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) movida pela Ampesc (Associação de Mantenedoras Particulares de Educação Superior de SC) que questionava o programa Universidade Gratuita, do governo do Estado.

A entidade, que representa as faculdades privadas do Estado, questiona a exclusão de alunos não matriculados em instituições comunitárias. Para a Ampesc, há divergência com artigo 170 da Constituição Estadual que prevê que o Estado preste “assistência financeira a alunos matriculados em Instituições de ensino superior legalmente habilitadas”.

Ampesc não é ‘parte legítima’, entendeu TJSC

Os desembargadores do TJSC entendem que a Ampesc não é “parte legítima” para propor a ação. Isso porque, segundo os argumentos do Estado, a entidade afirma que “congrega pessoas jurídicas de direito privado mantenedoras de instituições de ensino superior do Estado e enquadra-se, portanto, entre as entidades de classe de âmbito estadual”

 

O relator, o desembargador Ricardo Fontes, já havia negado a concessão da liminar e submeteu o pedido ao Ministério Público Estadual. Nesta quarta-feira, ele proferiu seu voto pela extinção – que foi acompanhado de forma unânime pelos integrantes do Órgão Especial do TJSC.

“Os autores devem demonstrar interesse na propositura da ação com base na sua finalidade institucional. Exige-se para a legitimidade ativa das entidades de classe e confederações sindicais em ações de controle concentrado a correlação direta entre o objeto do pedido de declaração de inconstitucionalidade e os objetivos institucionais da associação. A mera potencialidade geral de dano não é suficiente para estabelecer relação de pertinência temática”, afirmou Fontes.

deixe seu comentário

leia também